Eu te quis. Por um momento eu realmente te quis. Não pense que não demos certo por falta de querer. Acontece que a vida não é feita de impulsos, vontades passageiras e gostares instantâneos. É preciso muito mais que isso, é preciso tempo, pele, dar vazão ao desejo e ver até onde vai. Mas não tivemos isso. Fomos como aquelas velas de aniversário que queimam uma, duas vezes e mesmo insistindo em acender, sua chama dura pouco tempo. Nosso momento passou, nos perdemos e não fizemos mapas. Perdemos todos as rotas possíveis e só nos resta seguir, cada um o seu caminho, conhecendo e aprendendo com esses novos destinos. Aprendendo a gostar de outras pessoas, de outras formas e com outras intensidades. Seguimos, porque é esse o ritmo natural da vida.


    Era uma manhã fria de inverno, eu ainda nem tinha acordado direito, mas você já estava lá, linda com aqueles olhos intensos e o lábio pintado num vermelho indecente. Indecente foi o que pensei que poderia fazer com aqueles lábios. Seu jeito doce sempre me cativou, mas o que me conquistou foi a tua safadeza oculta no sorriso e bochechas vermelhas quando recebe elogio. Safadeza que se revelou pra mim como uma feliz surpresa, que me fez cair de amores pela menina tímida de corpo quente e gemido marcante. Quando depois do sexo você repousa em meu peito e me embriaga com teu cheiro, peço aos deuses apenas mais um tempo pra ter você ao meu lado. Pra merecer essa menina gentil de cabelo bagunçado que arrumou minha vida.