E mais uma vez eu te quis, sem pressa, com pressa, com carinho, meio selvagem até. E esse desejo entre nós só aumenta, parece que a distância é um combustível e quando nossos corpos se encontram é a chama, e tudo entra em combustão, é pele, toque, saliva, desejo... prazer! Você sabe o quanto eu te quero e o quanto somos bons juntos, e isso é fascinante. Nossas formas, carinhos que se completam, bocas e corpos que se procuram como se suas vidas dependessem desse instante, estamos juntos, um fim de semana, um mês, um ano, uma vida quem sabe. Que nosso desejo permaneça assim, intenso, vivo, puro. Mas se ele se esgotar que nosso companheirismo permaneça, que as nossas conversas continuem engraçadas, escandalosas, que nossa comunicação continue da mesma forma, nos entendemos muitas vezes sem precisar falar uma única palavra, pois nossos olhares se encarregam disso. Conhecemos os gestos um do outro, sabemos quando precisamos conversar ou só ficar ali, quieto, olhando, pensando. Estamos próximos há tanto tempo que às vezes parece que somos um só pensamento. Em outros momentos, parece que não nos conhecemos, brigamos, discordamos e não nos entendemos de forma alguma, nem na cama. Ai é cada um para um lado, esperamos, tomamos novos ares e quando voltamos a nos ver nem precisamos falar mais nada. Nossos olhares já se entenderam e nossas bocas já se uniram. É engraçado como a vida joga com a gente, estamos destinados a isso, viver sempre longe, sempre desejando um ao outro, sempre se entendendo, mas nunca convivendo. Talvez por isso damos tão certo. Nossa relação não sofre com a dureza e o desgaste da rotina, não passa por meus ataques de TPM, nem as suas visitas ao bar e suas chegadas altas horas da noite em casa. Não tenho que sofrer achando que você não me é fiel e nem você com aquela pulga atrás da orelha por causa de meu mais novo amigo que você não vai com a cara. Vivemos o eterno frescor do (re)descobrir. Não temos uma definição para o que vivemos, dizemos apenas que nos queremos e isso nos basta. O mais importante é a nossa amizade que se mantém como nos primeiros anos, você ainda rir das minhas piadas mal contadas e eu ainda me surpreendo e fico brava com a sua mensagem desaforada sempre que meu time perde. Somos muito diferentes e isso ajuda, completamos nossas qualidades e compreendemos nossos defeitos. E isso torna a nossa amizade, amor, sexo, ou seja, lá a denominação que queiram dar, mas isso que nos torna perfeitos juntos. 




No fundo sei que gosta das minhas manias, senão não reclamaria tanto delas. Do fato de eu andar descalça pela casa, ou de cantarolar músicas que eu nunca sei a letra, da minha mania de dormir pelada, porém não abrir mão do edredom porque sinto frio a noite, ou como diz você, sinto frio a toda hora. Nós sabemos que, lá no fundo elas são o que te divertem e te mantém tão interessado em mim, mesmo depois de tanto tempo juntos. Você vive a reclamar das minhas manias, e eu, reclamo dessa sua mania de reclamar. Mas quando nos abraçamos, nos beijamos, sabemos que em nosso toque não cabe mais nada a não ser nossa mania de se querer!


Sei que ele chegou, com a cara mais limpa do mundo, afinal de contas ele tinha acabado de usar óleo de Peroba e quis te amar pela metade. Quis usar e abusar da sua boa vontade. Quis agir de modo que com você, ele fosse um; e com os amigos ele fosse outro. Ele simplesmente quis e achou que por causa disso, você deveria querer também. Mas não era assim, você merecia e eternamente merecerá mais do que isso. Fico feliz que você tenha buscado mais do que isso. Avante você foi. Atrás ele ficou.
Relicário da Ana.


Tenho um grande apreço por pessoas sinceras. Sempre busquei tratar o outro com a minha sinceridade que quero ser tratada, gosto de falar com verdade, às vezes sou calma, outras, só gritos e berros. Falo, me jogo, me lanço no que que to sentindo. Uma atitude que muitas vezes trás magoa, ressentimento. Porém, se você fala o que quer, tem que aprender a ouvir o que quer ou não. Mas, ouça com respeito, embora em sua maioria os que ganham as minhas explosões de sinceridade, gritos e berros. Não mereçam nem a educação, que a minha mãe sempre falou que uma dama deve possuir. Tenho aprendido com o tempo a controlar meu temperamento explosivo. Tenho substituído gritos e choros, por desprezo e silêncio. O que já não sei mais se é uma qualidade ou mais um dos meus tantos defeitos. Busco ser o mais gentil possível, dou o lugar no ônibus para um idoso ou uma mulher grávida. Sempre ajudo uma velhinha a atravessas a rua quando estou a caminho da faculdade e principalmente, busco ser gentil com os meus amigos, em especial os que gargalham comigo das coisas mais bobas. Tento manter o contato com os meus velhos amigos e manter o frescor da amizade. Faz tempo que não sinto vontade de cuspir as minhas verdades sinceras para alguém, esses têm ganhado apenas o meu silêncio e um tratamento diplomático. Sou pura, intensa, inteira, sou barulho, explosões, gritos e clamores, silêncio. Muitas vezes um silêncio doloroso outras com certo aconchego. Sou assim, intensa, ainda que não demonstre, ou demonstre demais, transbordando as palavras tão cheias de mim. 


Meu corpo está desejando o seu. Te quero inteiro, intenso, forte, com todo o tesão que você desperta em mim. Meu corpo se enrijece de desejo e paixão quando penso em você. Não vejo a hora de você chegar e me amar, com fúria, tesão, com pressa e depois bem devagar saboreando cada parte do meu corpo, me fazendo implorar por seu toque, implorar pra ter você dentro de mim, suplicar pra liberar todos os orgasmos que estão ainda presos aqui. De beijar cada parte do seu corpo e te fazer gemer daquele jeito que eu adoro, sentindo você pulsar em minha boca, quente, duro, viril. Fico molhada de perceber o quanto nos desejamos, o quanto eu te deixo louco. Gosto quando já no ápice você se deixar levar somente pelo instinto animal, me segura forte e me beija, puxando meu cabelo, me fazendo arquear de prazer. E mais uma vez imploro pra que você me liberte. Nos perdemos entre línguas, suor e cabelos emaranhados, a suas costas marcadas por minhas unhas serão uma lembrança de mais uma noite juntos. Do nosso encontro carnal. Os corpos já esgotados deixam-se cair na cama, sem forças, apenas querendo recuperar-se. Não falamos nada no primeiro momento. Apenas me aninho em seu peito aconchegante e você faz carinho em meus cabelos. Não queremos falar, apenas saboreamos o gostinho do prazer que ainda está em nós, não querendo deixá-lo se dissipar, mas já esgotados para recomeçar, então adormecemos nos braços um do outro e deixamos que o sono renovasse nossas forças.


Gosto de gente que conversa, que tem atitude de falar o que está incomodando, gosto de olhar no olho e perceber sinceridade. De saber que mesmo com uma opinião totalmente diferente da minha estamos conversando e tentando chegar há um acordo. Gosto de pessoas de verdade que mostram a cara, que não se escondem atrás de atitudes mesquinhas e sem propósito. Gosto do gosto da verdade, do companheirismo, da bondade, de sentir o caráter de ver atitudes que mesmo atrapalhadas são éticas, justas. Me enjoa quando vejo certas atitudes que de tão babacas chegam a ofender meu intelecto. Falar sempre vai ser o melhor caminho na minha perspectiva, dizer o que está te incomodando, o que você espera ou o que você não quer. Mas fale, grite, berre não se esconda atrás de cara carrancuda e uma resposta mau criada, porque isso só vai me fazer sentir mais pena de você. E pena é um sentimento que nem você merece se é que ainda merece algo de mim.  


Gostaria de dormir, por dias e só acordar quando tivesse ti tirado totalmente da minha vida, do meu coração, das minhas redes sociais, do meu convívio social, queria formatar meus pensamentos e tirar qualquer traço do vírus chamado ex, queria ter o poder de cura para sarar meu coração, curar feridas e apagar todas as cicatrizes que você causou. Quando eu te disse que eu ficaria bem, que eu não queria mais, que eu ia seguir em frente, não imaginei que fosse tão difícil, nós seguimos a nossa vida, mas não posso dizer que cumpri todas as minhas promessas, pois o tempo não me fez te esquecer, ainda existem traços de você em mim, tão profundos que eu já não sei mais se são seus ou meus, é engraçado quando lembro de você, da gente. É eu sinto falta, talvez nós não tenhamos vivido tempo o suficiente pra enjoar um do outro, talvez o encantamento inicial não tenha acabado e ai fica essa sensação de perfeito, de sem defeitos, vivo a me perguntar se daria certo, se seria tão bom se voltássemos, penso que não, por mais que eu ainda sinta a sua falta, mudamos muito, não nos reconhecemos mais, não conversamos mais, não nos queremos mais e mesmo assim ainda somos tão presentes, queria não sentir a sua presença, em especial nessas manhãs frias. 


E às vezes acontecem coisas que simplesmente te fazer perder o encanto. Uma palavra, um gesto ou a falta de ambos, outras coisas perdem o encanto deixam de fazer sentido sem um motivo aparente, não importa como acontece, mas, o fato é que essa falta de encantamento ou a perda dele te deixa incomodada, com você, com as coisas, com o outro ou os outros, a vida de certa forma te irrita nesse primeiro momento, ai vem a explosão de choro, só que ela não te faz sentir aliviada e sim com raiva, pois é um choro sem sentido, sem motivo, sem querer, depois vem a parte do eu já sabia que isso ia acontecer, então porque isso me incomoda? E ai percebe que te incomodou porque você se importava, porque sentia, queria de alguma maneira que fosse diferente e que não tivesse dado o primeiro passo, é como apostar num jogo onde os dados são viciados e dão sempre os mesmo resultados e você como uma péssima jogadora, aposta sempre da forma errada. Queria que fosse diferente, devia ter ouvido meus próprios conselhos, deveria, mas não o fiz, nunca o faço.  E esses fatos sempre voltam a se repetir, tenho esse defeito, perco o interesse pelas coisas muito rápido, é como viver constantemente entediada, queria ser diferente, queria me manter encantada por você, mas nem você consegue isso, a sua capacidade de ser interessante só dura algumas horas, não me refiro a sua capacidade de me fazer rir, ou de conversar por horas, eu estou falando de vontade, de querer mais, de me fazer te querer de novo, ah, isso você não tem, não conseguiu, ou talvez nem tenha se esforçado para tal. O fato é que sinto-me um tanto triste, triste porque não queria me importar com isso, mas me importo e por outro lado aliviada porque a ultima coisa que eu preciso agora é de um coração partido pela pessoa errada e sem encanto.